PALMEIRAS

Você sabia? Academia fez do Palmeiras o campeão do século XX

Você sabia? Academia fez do Palmeiras o campeão do século XX
Eurico, Leão, Dudu, Luís Pereira, Alfredo Mostarda e Zeca; Edu Bala, Leivinha, César Maluco, Ademir da Guia e Nei Estampada acima da entrada da Avenida Francisco Matarazzo do antigo Palestra Itália, a inscrição "Campeão do Século XX" servia para lembrar aos torcedores, jogadores e adversários a grandeza do clube antes de cada partida. Se o…

Eurico, Leão, Dudu, Luís Pereira, Alfredo Mostarda e Zeca; Edu Bala, Leivinha, César Maluco, Ademir da Guia e Nei

Estampada acima da entrada da Avenida Francisco Matarazzo do antigo Palestra Itália, a inscrição “Campeão do Século XX” servia para lembrar aos torcedores, jogadores e adversários a grandeza do clube antes de cada partida. Se o Palmeiras hoje pode se autointitular como tal, deve à lendária Academia de Futebol.

No recorte histórico, o glorioso período começa com o título do Super Campeonato Paulista de 1959, conquistado sobre o Santos de Pelé, e termina com o Estadual de 1974, diante do Corinthians. Neste intervalo, o Palmeiras ganhou nada menos que seis títulos nacionais, hoje com status de Campeonato Brasileiro.

O período em que a Academia de Futebol brilhou coincide com o auge do futebol brasileiro, entre o título mundial da Copa da Suécia 1958 e a defesa do tricampeonato na Alemanha 1974. Desta forma, a briga por conquistas era protagonizada pelos maiores craques em atividade, a começar pelos do poderoso Santos.

De 1958 a 1969, somente o Palmeiras, campeão em 1959, 1963 e 1966, e o Santos ganharam o Campeonato Paulista. Se o time praiano era liderado por Édson Arantes do Nascimento, o Verdão contava com Ademir da Guia, não por acaso chamado de Divino.

O período é, de longe, o mais prolífico em termos de títulos para o Palmeiras. Historicamente, estabeleceram-se duas Academias de Futebol. A Primeira, com nomes como Julinho Botelho, Djalma Santos e Valdir Joaquim de Moraes, protagonizou um dos maiores feitos da centenária equipe.

Em 1965, sob o comando do argentino Filpo Núñez, único estrangeiro a dirigir a Seleção Brasileira, a Primeira Academia vestiu a amarelinha no jogo que marcou a inauguração do Mineirão e venceu o Uruguai por 3 a 0, gols de Rinaldo, Tupãzinho e Germano.

Já a Segunda Academia, treinada no auge por Osvaldo Brandão, ofereceu ao Palmeiras aquela escalação lembrada eternamente pelos torcedores e arquirrivais, fundamental para todo time que se preze. Leão, Eurico, Luís Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Leivinha, César e Nei. Seis deles foram chamados para a Copa 1974.

Os ídolos da Academia conviveram durante longos anos. Ademir da Guia (902 jogos), Emerson Leão (621) e Dudu (614) estão entre os quatro que mais vestiram a camisa do clube fundado em 1914, já que Waldemar Fiume (619) ocupa o terceiro posto da lista.

Gazeta Esportiva
Gazeta Esportiva

Fonte