PALMEIRAS

Segurança informática: Novos desafios e novas oportunidades

Segurança informática: Novos desafios e novas oportunidades
Os dados relativos ao primeiro semestre de 2021 revelam que os ataques informáticos estão entre os crimes com maior taxa de crescimento da atualidade. Afetando todos os setores do mercado. Afinal, segundo vários especialistas em segurança informática, é previsto que em 2021 exista, em média, um ataque a cada 11 segundos. Como é óbvio, para…

Os dados relativos ao primeiro semestre de 2021 revelam que os ataques informáticos estão entre os crimes com maior taxa de crescimento da atualidade. Afetando todos os setores do mercado. Afinal, segundo vários especialistas em segurança informática, é previsto que em 2021 exista, em média, um ataque a cada 11 segundos.

Como é óbvio, para as empresas, esta informação não é muito positiva. Sabe porquê? Pelo simples facto de que em paralelo a um rápido crescimento dos ataques informáticos, temos também um aumento dos custos relativos à segurança.

segurança informática:

Portanto, segundo um estudo recente, os crimes informáticos custaram às organizações cerca de 1% do PIB global. Desta forma, apesar dos investimento feitos na parte da segurança, a verdade é que os esquemas para violar todas as técnicas de defesa estão cada vez mais complexos, e por isso, também mais eficientes. Em suma, a parte da proteção está a ficar mais difícil, e também mais cara.

Em boa verdade, esta tendência de aumento dos crimes informáticos está relacionada com evolução da economia atual, que por sua vez, cada vez mais exige que seja imposta a tão badalada transformação digital. Deste modo, apesar das imensas vantagens desta transformação e evolução, as empresas ficam muito mais expostas a ataques informáticos. Especialmente porque estes criminosos do mundo digital agem de formas bastante diferentes, e na verdade, estão constantemente a mudar o seu “modos operandi“.

Para ter noção, as técnicas mais comuns passam por invadir o computador com códigos maliciosos para roubar senhas, roubar documentos, bem como outro tipo de informações. O objetivo final, passa quase sempre pela destruição de dados, ou escondê-los atrás de um resgate ou chantagens.

Curiosamente, as preocupações dos lesados não passam apenas por recuperar os dados, mas também em perceber quem poderá ter acesso a estes. (Mesmo que recuperados! Não existe maneira de ter a certeza que o atacante lhe irá devolver a informação e apagar todas as cópias que tem em sua posse.)

De forma bastante curiosa, a situação pandémica atual acabou por acelerar a transformação digital das empresas. Afinal de contas, foram enviados centenas de milhares de trabalhadores para casa, para o muito famoso teletrabalho. Por este motivo, os recursos das empresas têm que estar, dentro do possível, acessíveis remotamente. O que também aumentou a fragilidade das empresas na web. (Afinal de contas, nem todos os trabalhadores têm cuidado com que andam a fazer na Internet.)

Assim, como referido anteriormente, a pandemia mundial deu um grande boost a todos os tipos de tentativas de ataque informático. E claro, como resposta a isto, muitas organizações tiveram a necessidade de reestruturar a segurança dos seus dados, pois as medidas que tinham implementada não eram suficientes para os novos desafios do ‘novo normal’.

Entretanto, dois possíveis caminhos para as empresas passam por contratar pessoas qualificadas na área, ou, de forma a arrumar a casa, formar melhor os seus funcionários, o que nem sempre é possível ou fácil de concretizar de forma rápida e simples.

Deste modo, olhando para a parte de quem procura trabalho na área de TI e segurança… Meus caros, esta é sem duvida uma área emergente! Que, a meu ver, promete carreiras muito viáveis. Afinal, as estatísticas mostram mesmo que o número de empregos em segurança informática aumentou, uma tendência que veio para ficar.

Por isso, se por acaso está a pensar entrar no ensino superior, e quer uma carreira bem paga e com muito emprego… Talvez seja boa ideia repensar a sua escolha.

Ademais, o que pensa sobre tudo isto? Partilhe connosco a sua opinião em baixo.

Fonte

Fonte