PALMEIRAS

Elcio Franco nega problemas com Butantan depois de fala de Bolsonaro

Elcio Franco nega problemas com Butantan depois de fala de Bolsonaro
O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco disse nesta 4ª feira (9.jun.2021) à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado que não interrompeu negociações com o Instituto Butantan pela CoronaVac depois que o presidente Jair Bolsonaro mandou cancelar a compra dos imunizantes em outubro de 2020.“Não recebi ordem para interromper, e elas…

O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco disse nesta 4ª feira (9.jun.2021) à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado que não interrompeu negociações com o Instituto Butantan pela CoronaVac depois que o presidente Jair Bolsonaro mandou cancelar a compra dos imunizantes em outubro de 2020.

“Não recebi ordem para interromper, e elas continuaram. Essas tratativas continuaram. E o Instituto Butantan, como eu falei, o Dr. Dimas Covas e a Cintia tinham o meu telefone e, em caso de alguma dificuldade de comunicação, eles poderiam ter mandado mensagem para o meu WhatsApp e poderiam ter conversado comigo.”

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), perguntou Elcio se ele teria consultado seu superior à época, Eduardo Pazuello, sobre essa interrupção. O ex-secretário repetiu várias vezes de que não houve ordem para que ele encerrasse as tratativas com o Butantan.

“Nós mantivemos as negociações e não há nenhum documento, que eu tenha conhecimento, porque não foi assinado pelo Ministro nem por mim, de intenção de não prosseguir com as negociações, ou seja, a carta de intenção de 19 de outubro continuou vigente”, afirmou.

Renan também questionou se houve debates no Ministério da Saúde sobre a tese da imunidade de rebanho, que diz que se muitas pessoas se contaminarem com o vírus, seu risco seria diminuído por essa imunidade comunitária.

“Nunca se discutiu, na área técnica do ministério, entre os secretários, com o ministro, essa ideia de imunidade de rebanho a que o senhor se referiu. Então, nós não visualizávamos isso. Tínhamos a noção da gravidade da pandemia. E, assim como a influenza, a gente imaginava que teríamos que ter campanhas anuais de vacinação.”

Tratamento precoce

O ex-secretário também negou que o tratamento precoce com remédios sem eficácia comprovada contra covid-19 tenha sido uma orientação da pasta.

“Com relação ao tratamento precoce, não era orientação do ministério, e sim a busca pelo atendimento médico, que seria soberano na sua decisão de atender o paciente e fazer o que era o mais adequado. Isso vale para qualquer enfermidade, não apenas para covid.”

Assunto muito explorado pelos senadores, o chamado gabinete paralelo, que orientava Bolsonaro a ter ações diferentes das dos Ministério da Saúde, foi tema de perguntas a Elcio. Ele negou saber da existência e disse que não se lembrava de ter tido contato com integrantes desse grupo.

Renan mostrou registros de que ele teve uma reunião com um dos integrantes do “gabinete”, Antônio Jordão Neto. Elcio disse não se lembrar do que trataram.

Ele não quis citar remédios como cloroquina e ivermectina como o tratamento precoce, disse que a pasta orientava as pessoas a terem “atendimento precoce” com os remédios que fossem determinados pelos médicos. Ele, contudo, admitiu que tomou cloroquina quando teve covid-19.

“O atendimento precoce pelo médico para o seu diagnóstico, as suas orientações para que o paciente possa se afastar de demais e não contactar e transmitir a doença para outros e prescrever as medicações que ele julga mais adequadas, eu sou favorável, sim, senhor. Ao atendimento precoce pelo médico.”

Continuar lendo

Fonte