ARENA PALMEIRAS

Casada com Dudu | Sabe do que Mallu Ohana precisa? De empatia

Casada com Dudu | Sabe do que Mallu Ohana precisa? De empatia
O mundo ficou sabendo nesta semana que o jogador Dudu, do Palmeiras, tem filhos fora do casamento e que a mulher dele, Mallu Ohanna, perdeu a cabeça com uma suposta amante do atleta no Allianz Parque, no jogo contra o Flamengo, no último domingo.O jogador Dudu, do Palmeiras, e a mulher dele, Mallu (Reprodução/Instagram) Nos…

O mundo ficou sabendo nesta semana que o jogador Dudu, do Palmeiras, tem filhos fora do casamento e que a mulher dele, Mallu Ohanna, perdeu a cabeça com uma suposta amante do atleta no Allianz Parque, no jogo contra o Flamengo, no último domingo.

O jogador Dudu, do Palmeiras, e a mulher dele, Mallu (Reprodução/Instagram)

Nos comentários das matérias que tratavam do assunto, a maior parte aconselhava Malu a pedir o divórcio e “tirar até as calças dele”. Por uma série de fatores que de fato são surreais –como salários de mais de R$ 1 milhão– o mundo tende a enxergar os casamentos dos jogadores de futebol como um grande negócio. E só o que importa é o dinheiro.

Veja também:

A matemática, aos olhos de quem vê de fora, é quase sempre a mesma: um jogador rico + uma mulher bonita. Experimente dar um google com os termos “mulheres de jogador”. O que aparece é apenas um grande ranking de beldades, muitas em fotos de biquíni. Alguns textos até levantam a importante questão de como eles são feios e elas, lindas, sugerindo, claro, que o único interesse que uma mulher linda pode ter num homem feio é seu dinheiro (e quero deixar claro aqui que discordo até dessa conversa de linda e feio, pois são conceitos bastante relativos, e o belo de um pode ser o horrível de outro).

Enfim, talvez todos esses preconceitos e clichês sejam alimentados pelos próprios jogadores e por suas mulheres. É difícil mesmo imaginar que eles sofrem quando começam a pipocar, nas redes sociais, as fotos das festas de Réveillon em destinos paradisíacos. Estamos acostumados a vê-los posando sempre elegantes, cheios de grifes penduradas por todos os lados, com seus carros luxuosos, em destinos badalados. Num país como o nosso, em que a ostentação é cultuada, a imagem que fica nem sempre é a verdadeira.

Pois trago novidades: muitos desses casais têm relacionamentos longos –como é o caso de Mallu e Dudu, juntos há uma década. Algumas dessas mulheres têm profissões e trabalhos que são para elas mais importantes do que ser lindas. Várias delas estão ao lado de seus companheiros antes de eles serem bem-sucedidos no esporte, antes de terem salários de centenas de milhares de reais. Muitas, inclusive, enfrentaram dificuldades ao lado deles.

E, apesar de sempre aparecerem sorridentes, bem arrumadas, maquiadas, elegantes e com bolsas que custam nosso salário anual, pasmem!, elas têm problemas como todos nós. Você já pensou o que é estar casado com alguém que não passa NENHUM fim de semana em casa? Na solidão que é criar filhos tendo um marido que necessariamente está em outra cidade (ou concentrado) duas vezes por semana, por dois ou três dias?

Você já imaginou o que é não poder sair de casa com seu marido quando o time em que ele joga perde, por medo de ser ofendida na rua (ou mesmo agredida)? Pois saiba que isso acontece. Está aí Bhel Dietrich, mulher de Bruno Henrique, que não me deixa mentir. Ela estava passeando com o marido quando foi parada por torcedores do Palmeiras xingando-os. E foi também agredida na Arena da Baixada, onde foi ver um jogo do atleta.

Você já cogitou o que deve ser ter seu filho pequeno alvo de bullying na escola porque o time em que o pai dele joga está em crise? Não são raros os casos de crianças que sofrem muito com esse tipo de violência (que muita gente ainda acredita que é piada) e não querem mais voltar a ir na escola.

E, claro, como aconteceu com Malu, você com certeza já pensou –ou viveu– a experiência de ser traído/traída e sabe o quão dolorido isso pode ser.

Obviamente que não vivo em nenhuma realidade paralela e sei qual é a rotina de muitos (muitos mesmo!) jogadores de futebol: balada, bebida e mulheres –quanto mais melhor. Não vou generalizar, pois se tem um comportamento que desprezo é rotular pessoas. Há muitos que vivem numa pegada louca e tantos outros que preferem se preservar –pessoal e profissionalmente.

Mas esse texto não é sobre eles. É sobre elas. É sobre conseguir olhar para o sofrimento do outro –famoso ou anônimo– e saber que, rico ou pobre, bonito ou feio, ele precisa de empatia. Não tem nada mais humano nesta vida do que o esforço para compreender o que as outras pessoas estão enfrentando ou sentindo. E, isso feito, tratar todo o mundo com dignidade e respeito.

É como diz aquela frase: todas as pessoas que você conhece estão enfrentando batalhas sobre as quais você não sabe nada.

Fonte